Os alunos ocupando suas escolas, de fato e de direito!


Foi um prazer e um privilégio compartilhar com os alunos das escolas de luta algumas horas deste final de ano, que marcou sua tomada de posse daquilo que já era deles por direito. Agora o é de fato!


Neste dia 21, mesmo debaixo de chuva, os alunos da rede estadual realizaram mais uma manifestação contra a “reorganização” das escolas. Eles estão certos, pois a suspensão do projeto, prometida pelo governador, é altamente suspeita. Ele deixou bem claro que vai passar o próximo ano discutindo e avaliando a realidade de cada escola com a comunidade, “especialmente com os pais de alunos”...

Para bom entendedor, meia palavra basta! Isto significa que o ano letivo já irá iniciar com uma terrível lavagem cerebral sobre os pais de alunos, tentando colocá-los contra os próprios filhos, que por sua vez acabarão se desentendendo com os próprios colegas, que então poderão se voltar contra os próprios pais... Tradicionalmente, esta é a técnica "de guerrilha" utilizada pela secretaria da educação para garantir o status quo dentro da rede.

Os alunos  têm portanto todas as razões para questionarem a suspensão do projeto, e esta última manifestação colocou em evidência uma das condições que os alunos impuseram ao governador para desocuparem as escolas, mas que ele ignorou solenemente: a punição dos policiais que usaram de truculência durante as manifestações de rua e as invasões das escolas ocupadas.



O ato iniciou no Masp com muita animação, mas a chuva impediu que muita gente seguisse os manifestantes, que caminharam pela Paulista e foram descendo a Consolação. Contudo, um número absurdo de policiais, desproporcional ao tamanho do ato, caminhava na retaguarda, enquanto a tropa de choque marchava enfileirada do lado esquerdo da avenida. O que desejava o pelotão?... Um pretexto qualquer para atacar esses jovens e seus apoiadores, como tem ocorrido em praticamente todas as manifestações contra o governador Geraldo Alckmin.




Os estudantes se sentiram acuados e começaram a gritar palavras de ordem: “Sem violência!”, “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da polícia militar!”. Uma comissão de mães que apoiavam o ato foi caminhando estrategicamente na frente do pelotão, e isso pode ter ajudado a inibir a truculência policial, geralmente gratuita e devida à impunidade.




Chegando na Praça da Sé, os manifestantes encerraram o ato de forma pacífica, reiterando suas reivindicações: que a “reorganização” seja cancelada,  que os alunos das escolas de luta não sejam perseguidos, que haja punição dos policiais que cometeram abusos durante as manifestações de rua e as invasões das escolas ocupadas.

Mas o governo do estado age de forma sorrateira, os alunos que ocuparam as escolas já estão bem “marcados” e vejam o que ocorreu após o final do ato, na Estação Sé do metrô, ou seja, a poucos passos de onde terminou a passeata... porém longe dos olhos de quem estava filmando e fotografando tudo: um aluno da Fernão Dias, uma das escolas ocupadas que ficou em evidência na mídia, foi covardemente espancado, junto com outros estudantes, por alguém que devia estar em contato telefônico com o pelotão do Geraldo. Os PMs que estavam na superfície não devem ter se conformado com a falta de pretexto para atacar os alunos, assim delegaram a empreitada para os seguranças do metrô, que agiram no subsolo.

Essa brutalidade tinha tudo para ficar impune, mas um vídeo dos Jornalistas Livres mostra claramente a hora do espancamento e identifica um dos agressores do estudante, tão ou mais conhecido do que o aluno que foi sua vítima! Trata-se do “Segurança-gato do Metrô”, assim chamado e aclamado por aquele lixo jornalístico que é a revista Veja São Paulo, na edição de 29/03/14.  Assistam a esse vídeo e leiam toda a matéria dos Jornalistas Livres, que dá nome e sobrenome para esse funcionário “exemplar” do Metrô...




Tudo isto reforça a urgência do pedido dos alunos das escolas de luta: é preciso acabar com a militarização da polícia e dos demais órgãos “de segurança” do estado! E o episódio de hoje mostra também a urgência de se proteger os estudantes que ocuparam as escolas, das represálias que sofrerão durante o próximo ano letivo, quando a estratégia de “guerrilha” do Geraldo vai tentar colocar contra eles a comunidade escolar e até seus próprios pais!

Esses alunos precisam de proteção especial das entidades de direitos humanos, para não serem vítimas de perseguições e represálias, mas também para poderem expandir, em suas escolas e comunidades, a consciência de cidadania que conquistaram durante as ocupações. Em algumas escolas, por terem livre circulação nos prédios, os alunos descobriram indícios de irregularidades que precisam ser apuradas e que os diretores, supervisores e dirigentes de ensino tentarão provavelmente abafar de todas as formas, abrindo “apurações” que costumam incriminar as vítimas e envenenar o ambiente escolar... Quem conhece a rede pública por dentro sabe como este assunto é sério!

Por isso todo cuidado é pouco. Esses alunos precisam receber todo apoio possível e o próximo ano letivo tem que entrar com o pé direito, começando com um ato revolucionário que só esses alunos de luta poderão finalmente garantir: a eleição democrática do Conselho de Escola. Esse órgão tem servido apenas para dizer amém aos desmandos da direção e para expulsar alunos, pois seus membros não costumam ser eleitos, mas escolhidos a dedo pelos diretores. Isto precisa mudar com urgência! Os alunos, os pais, os professores e os funcionários das escolas merecem eleger seus próprios representantes, numa eleição democrática e sem interferências da direção. O diretor de escola, infelizmente, é por estatuto sempre o presidente do Conselho, mas ele não pode nem deve estar presente em nenhuma das salas onde os alunos, os pais, os professores e os funcionários elegem seus representantes!!!

Os estudantes sabem que têm sido excluídos desse processo, pois visitei algumas ocupações e nenhum dos alunos com quem falei havia participado da eleição do Conselho da própria escola. Então, estudantes da rede estadual de São Paulo, vocês que já demonstraram muita coragem, não se deixem intimidar pelo autoritarismo do sistema e participem do Conselho de Escola! Informem também a seus pais a importância de elegerem os próprios representantes, pois vocês, alunos e pais, representam a maioria da comunidade escolar, não é justo que sejam ignorados pela direção.

O Conselho de Escola deveria decidir como empregar as verbas, deveria fiscalizar o trabalho das APMs, organizar o ano letivo, decidindo por exemplo atividades pedagógicas, programas culturais etc. Vocês, alunos,  já foram chamados para opinar sobre essas questões?... Pais, alunos, professores e funcionários, junto com o diretor, deveriam formar o corpo gestor da escola, mas o que ocorre, na grande maioria dos colégios paulistas, é puro autoritarismo. Vocês, alunos, que deram mostra de tanta coragem, pensem nisso durante as férias. Entendam como deveria funcionar a gestão compartilhada da escola, estudem o assunto e exijam sua efetiva participação. Assim, vocês estarão ocupando suas escolas de fato e de direito, durante todo o ano letivo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola