Um verdadeiro filho do Brasil

De todos os filhos do Brasil, o mais legítimo é aquele que, apesar da falta de oportunidades, consegue levar uma vida digna e sobreviver aos diversos preconceitos que a nossa sociedade teima em negar.

Paulo Henrique é um verdadeiro filho do Brasil. Junto com sua mãe humilde, foi acolhido com amor por uma família que se esforçou em educá-lo e hoje, aos 16 anos, demonstra ser um garoto inteligente e sensível.

Paulo foi expulso da escola onde estuda, a EE Dona Amélia de Araújo, na zona leste de São Paulo. A escola apresentou em 2011 nota IDESP de 1,51 no Ensino Médio, onde o garoto cursa o 2º ano. Bom aluno, certamente melhor do que a escola onde estuda, nunca teve até hoje qualquer problema de disciplina. Vamos nos empenhar em reverter a injusta e principalmente ILEGAL expulsão praticada pelo Conselho de Escola, onde ele foi inclusive constrangido, humilhado e ofendido, junto com sua mãe de sangue e sua família de criação. Estamos encaminhando este documento à Secretaria de Estado da Educação, na esperança de que entenda a injustiça cometida pela direção da escola e proceda à reintegração imediata do aluno, que está perdendo aulas e provas.

Mais uma vez, explicamos que só tomamos a iniciativa de defender os alunos após conhecê-los pessoalmente e termos certeza de sua sinceridade e idoneidade. É o caso do Paulo Henrique, que nos encaminhou o depoimento aqui transcrito:

Sou aluno da EE Dona Amélia de Araújo, onde estudo desde a 5ª Série e onde tenho meus únicos amigos. 

Desde o dia 07/09/2012 aconteceram fatos que me deixam muito triste e desde esse dia fui proibido pela diretoria do colégio de frequentar as aulas. No dia 5, mais ou menos às 9:00 da noite, estava no computador de casa no facebook e apareceu na página da rede uma lista de pessoas que eu conhecia, mas ainda não eram meus amigos. Copiei então uma frase da internet que dizia: "Me aceita como amigo, sua linda, gostosa, bonita e cheirosa.". Mandei para algumas meninas que eu conhecia, mas não percebi que o convite também tinha ido para a Sra. Rose, diretora do colégio. Bem, em seguida o telefone de casa tocou e era ela, pedindo pra falar com a "Dona Edilene", mas não tinha ninguém com esse nome em casa, então passei para minha avó e ela disse para minha avó: "Estou imprimindo os documentos da expulsão do Paulo Henrique agora, amanhã não adianta ele vir pra escola, porque ele não vai entrar e segunda-feira quero que a mãe dele venha aqui na escola. Pergunte para ele o que ele acabou de me mandar no facebook". Minha avó falou comigo imediatamente e eu, quando vi que o convite tinha ido pra ela, excluí a postagem e fiz um pedido de desculpas. 

Estou super arrependido de tal ato, isto trouxe muito tormento para mim e toda a minha família, nós tentamos conversar com a diretora, eu pedi desculpas pessoalmente, mas ela não quis saber, primeiro me convidou a me retirar da escola, me suspendeu novamente por 4 dias e convocou um conselho de classe para a minha expulsão.

No dia do conselho, meu tio (de criação) e minha mãe foram comigo. Chegando na escola, ela proibiu a entrada do meu tio, dizendo que ele não era nada meu, ele falou que cuida de mim desde quando eu nasci, ela nem quis saber e chamou a polícia para impedir a entrada dele.

Na sala do conselho ela falou coisas muito difíceis de escutar, isso é o que mais me dói. Ela me expôs na frente dos meus colegas e dos professores ali presentes, dizendo que viu o meu RG e que lá não constava o nome do meu pai, que eu não tinha pai e por isso que eu era desse jeito. Ela não sabe que meu pai de coração estava do lado de fora com a polícia que ela havia chamado para ele. A diretora também disse que minha mãe era omissa e que a família que me cria não tem a menor condição de cuidar de mim, pelas palavras dela parecia que eu era um monstro. A pior acusação que ela fez foi falar que ligou para a minha casa e minha avó disse a ela que não era nada minha. Mentira, tenho certeza que é mentira! Ela queria a todo momento me humilhar perante a todos.

Estou muito arrependido e triste com o que aconteceu, magoou muito minha família tudo o que ela falou no conselho, mas mesmo assim eu não quero sair da escola, tenho medo de repetir de ano e não conseguir me enturmar em outra escola. Quero muito uma nova chance.

Paulo Henrique de Araújo

COMO SEMPRE DIZEMOS AQUI, OS CONSELHOS DE ESCOLA, MUITAS VEZES MANIPULADOS POR DIRETORES DE ESCOLA SEM ESCRÚPULOS, TÊM SE TORNADO TRIBUNAIS DE EXCEÇÃO PARA A EXPULSÃO DE ALUNOS POR MOTIVO FÚTIL. ESTA PRÁTICA INJUSTA E ILEGAL TEM QUE ACABAR: UM CONSELHO DE ESCOLA NÃO PODE AGIR COMO UMA QUADRILHA!

Comentários

Anônimo disse…
Estamos vivendo o Big Brother da Educação Brasileira,em que funciona da seguinte maneira
Se o Diretor se sentir encomodado ele te coloca no paredão e te elimina, o que voce vai fazer depois disso não é um problema dele.
Uma vergonha
Triste e revoltante. Parece ditadura ou a Inquisição. Mostra que a direção da escola é totalmente desqualificada e desequilibrada emocionalmente.Se a escola complementa a educação familiar, deveria aproveitar a situação e transformá-la em uma lição prática, mostrando os inconvenientes e perigos no uso da Internet e redes sociais. É importantíssimo trabalho do EducaForum, como um órgão neutro lutando pela educação sensata no país.
Giulia disse…
O grande problema é que a mídia nacional já taxou o aluno de escola pública, seja quem for, de "vagabundo". Essa generalização é péssima e facilita demais a expulsão de alunos.
A midia em nosso país é superficial demais. Principalmente a TV. Se fosse usada com mais seriedade seria uma enorme ferramenta na educação de nosso povo.
Giulia disse…
A TV brasileira é o triunfo da nulidade...
Anônimo disse…
Hoje estou precisando desabafar, estou triste sou mãe e me sinto a pior de todas, Fui chamada hoje para retirar meu filho da escola porque ele atrapalhou a meta que a escola tem que alcançar em 40 dias,meu filho para diretoria porque jogou o caderno no colega ,e segundo o diretor meu filho gritou com ele e por isso se meu filho aprontar não quero seu filho na minha escola vou reunir o conselho e expulsá-lo.....
Ouvi meu filho também ele tem 10 anos e tem disturbio de atenção, (durante este ano inteiro meu filho estava com bom comportamento não teve ocorrência nenhuma e aproveitou bem os estudos) enfim Vinicius meu filho socialmente também tem bom comportamento, Vinicius me contou que há algum tempo um garoto da sala de aula o provoca e a professora não liga... para as queixas do meu filho até que ele perdeu a razão jogando o caderno nele, foi no ato para diretoria e chorando tentou explicar mas o diretor não quis ouvi-lo então ele tentou falar em tom mais alto enfim por isso mandou me chamar e disse tudo isto estou assustada pela decisão deste diretor e meu filho não quer ir para escola ...o nome de é Professor Flávio o meu é Luciene a escola Prof. Hiroshi Suda
no parque Vitória...
Giulia disse…
Luciene, mande e-mail para nós: educaforum@hotmail.com, para que possamos ajudar. Em que ano seu filho está estudando? Ele está suspenso?
Um abraço!
Giulia disse…
Luciene, postei sua mensagem, sem publicar seu nome nem o da escola. Clique para ler http://educaforum.blogspot.com.br/ Aguardo seu e-mail. Abraço.
Anônimo disse…
ola tenho 18 anos estudo supletivo no segundo do encino fundamental em uma escola estadual de sp e queria deixar meu relato de experiencia não vou comentar a escola nem o dia mais e veridico esse fato fiquei revoltado ão ver um colega de classe ser expulso da sala de aula e levar advertencia da (tirana diretora) obvio que ela a professora não podia tiralo da sala de aula e muito menos a diretora advertilo por ele ter o direito de recursar-se a fazer a prova obs(espero que a senhor(a)dono do blog leia meu relato de revolta)
Giulia disse…
Anônimo, explica melhor: porque seu colega recusou-se a fazer a prova?

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola