Pular para o conteúdo principal

O Brasil jogando cérebros no lixo


Imagine uma menina de 6 anos, superdotada e plenamente alfabetizada, obrigada a cursar o 1º ano para "aprender" o beabá...

Imagine agora o pai dessa menina, calmo, modesto e conhecedor de seus direitos, que em nada se vangloria dos dotes intelectuais da filha, apenas gostaria que ela tivesse uma vida escolar tranquila e satisfatória. Não está sendo possível.

No ano passado, a família mudou de residência e não conseguiu vaga para que a filha pudesse completar a educação infantil. Por esse motivo, uma questão "legal" impediria que ela possa cursar o 2º ano, apesar de ter feito na própria escola uma bateria de testes de aptidão, nos quais teve 100% de acertos.

A escola não pôde portanto negar que a criança está apta para o 2º ano, o que foi inclusive atestado por uma supervisora de ensino. Mas a tal questão "legal" continua impedindo a reclassificação da aluna.

O problema se complicou quando ela começou a ser perseguida na escola e uma funcionária a arrastou violentamente pelo braço escada acima, para submetê-la ao constrangimento de sentar numa classe de 3º ano, dizendo-lhe que esse era o lugar dela, já que estava "adiantada". Após esse dia, a menina, que parou de usar fralda com um ano de idade, começou a fazer suas necessidades na roupa...

É claro que ela não quer voltar à escola, está faltando às aulas e os pais estão preocupados, não apenas com a saúde da criança, mas com a ameaça do Conselho Tutelar, que sabe-se, está aí para dizer amém à escola e culpar a família de "desestruturação".

Tudo isso está acontecendo... adivinha! no Estado de São Paulo, o mais autoritário do país, aquele onde o sistema educacional fica à vontade para interpretar a lei a bel prazer. A escola é a EE Rev. Prof. Manoel da Silveira Porto Filho, que pertence à DE Sul 2. O prezado Reverendo Professor estaria se revirando no túmulo? Ou talvez o pai dele?...

Além de entrar com pedido de reclassificação da filha logo no início do ano escolar, os pais da menina procuraram a Diretoria de Ensino SUL 2 e o Conselho Estadual da Educação, onde conseguiram agendar uma reunião para a próxima 6ª feira. 

Hoje, 4ª feira dia 16 de maio, o pai da aluna esteve conosco na Subsecretaria de Articulação Regional da SEE, onde o Prof. José Benedito convocou a dirigente Maria Lígia, da DE Sul 2, a explicar o motivo pelo qual a aluna não foi transferida para o 2º ano, apesar dos testes realizados com perfeição e do parecer positivo da supervisora de ensino.

A resposta foi a mesma que esse pai tem ouvido de todas as instâncias já procuradas: a criança completa 7 anos apenas em setembro e não cursou o último estágio da educação infantil. O argumento de que todas as escolas do bairro, inclusive o inatingível "Ceu", negaram a vaga não foi suficiente para reverter o quadro.

Considerando que o assunto agora é da alçada do Conselho Estadual da Educação, o Prof. José Benedito sugeriu ao pai da aluna que levasse ao CEE, na sexta-feira, todos os testes da menina e, se possível, um laudo psicopedagógico que ateste a superdotação da filha e o trauma psicológico que está vivendo. Na opinião do professor, o CEE poderia assim abrir um precedente que daqui para frente favorecesse não apenas essa criança, mas as demais que se encontrassem na mesma situação.

Tudo o que você leu aqui é a mais absoluta verdade: folheamos todos os testes feitos pela aluna, vimos o parecer da supervisora e o recurso protocolado pelos pais no CEE, contendo artigos da Constituição e da LDB que justificariam a reclassificação da aluna. Saímos da Subsecretaria com a clara sensação de que o país, além do alto nível de exclusão de alunos ditos normais, joga seus melhores cérebros no lixo.

Se for verdade que a legislação "não abre brechas" para a reclassificação de um aluno superdotado, trata-se do típico caso em que a lei desserve ao cidadão e ao próprio país. Você tem mesmo certeza de que não vive num estado totalitário?

Voltaremos a contatar o Prof. José Benedito na própria 6ª feira, após a reunião no CEE. Segue, em outro post, o resumo dos demais assuntos tratados hoje na Subsecretaria.


Comentários

cremilda disse…
Sábado na TVAlesp, a Cristina, mãe da Valeria vai falar do caso dela.
Falou muito bem, nem parecia a primeira vez que falava diante de um microfone.
Deixei recado para a Fabíola Cidral e vou colocar mais duas na Bandeirantes. Eles podem atá não divulgar, mas não vão poder dizer que não sabem de nada.
Anônimo disse…
Agradecemos pela sua solidariedade em divulgar o nosso caso, sabemos da seriedade do seu trabalho. Infelizmente não somos os únicos a passar por isso , pesquisando na internet descobrimos que ha centenas de pais em todo o Brasil passando pela mesma situação. Obrigada pelo seu empenho. Abraços - Cristina e Claudemir
Giulia disse…
Cristina e Claudemir, é um prazer tentar ajudar pais dedicados e conscientes como vocês, inclusive preocupados com outros que estão passando pela mesma situação. O objetivo do nosso trabalho é justamente ampliar o conhecimento e permitir que o maior número possível de pais, alunos e cidadãos deixem de ser prejudicados pela buRROcracia nacional e pela falta de compromisso de órgãos "públicos" que mais servem como cabides de emprego. Torcemos para que a solução do seu problema possa ser útil também para resolver outros casos. Um abraço!
Anônimo disse…
Giulia

enquanto a maria ligia e sua corja continurem mandando na sul 2 as escolas nunca vão melhorar e a corrpçao vai continuar
cremilda disse…
Hoje eu fiquei perplexa.
Entendí que a Prof.Ivana e a Prof. Neide eram do Conselho Estadual e que me receberiam na sala 20.
Não era nada disso.
Ela quer me ajudar mas não quer resolver o problema da aluna ?
Bem, difícil me ajudar.
O que eu quero mesmo é saude e ganhar sozinha na mega sena acumulada, o resto eu compro....
A reunião demorou menos de 5 minutos, levantamos e saimos andando, de lá protocolei uma cartinha para o José Benedito contando o que aconteceu, assim em rápidas pinceladas.
De lá fui direto para o Palácio do Governo e protocolei um documento lá, esse redigido pelo Claudemir, bem explicadinho...
Foi isso...
Quarta a gente dá outra cacetada neles.
Uma hora vão cansar de levar cacetada.
O meu texto,Conosco Ninguém Podosco está no site oficial de Itu...
Giulia disse…
nfelizmente fiquei sem internet e não pude postar mais nada a respeito, mas já cobrei de manhã do José Benedito o absurdo de o pai da menina ter perdido mais um dia de trabalho para ir à Diretoria de Ensino para ouvir o que ele próprio, José Benedito, havia sugerido uma semana antes em seu gabinete: pedir o laudo de superdotação da menina! Mais uma semana perdida para a aluna e para a família!!! Mais desrespeito para o cidadão brasileiro! Se a escola havia mandado a menina fazer o teste de aptidão para o 2º ano e ela acertou 100% das respostas, o que impede que ela seja reclassificada??? Isso tem cara de perseguição e vai ser apurado. Tem mais: a família deve exigir o ressarcimento de danos morais do estado, não por uma questão de dinheiro, mas porque só assim os "nossos" governantes tomam vergonha na cara e TRABALHAM. Desculpem o desabafo, estou p... da vida!

Postagens mais visitadas deste blog

A expulsão é legal?

Recebemos a seguinte mensagem de Manaus e a respondemos no comentário. Dê também sua opinião!
Sou ex-Conselheiro Tutelar e hoje trabalho como consultor de projetos sociais na Prefeitura. No entanto, estou sempre envolvido com o problema de atitudes arbitrárias em escolas públicas onde alunos são expulsos ou suspensos sem qualquer critério legal. Por este motivo gostaria de estar recebendo informações mais detalhadas sobre a legalidade desse procedimento adotado pelas escolas. Até que ponto a escola teria poderes para expulsar alunos, ou trata-se de um ato totalmente ilegal? Favor encaminhar informações jurídicas sobre o caso.

Respeito ao aluno, 3ª Parte. A expulsão da escola

Este é certamente o problema mais grave da escola brasileira: a expulsão de alunos. Além de não ser inclusiva, ela é inóspita para os alunos já matriculados e, na primeira oportunidade, eles são "convidados" a sair da escola, ou então, sumariamente expulsos. E aqui sempre fazemos o mesmo apelo aos pais: não permita que seu filho seja expulso, procure entender o que está por trás dessa atitude da escola! Tenha a coragem de enfrentar essa questão de cabeça erguida, não seja mais uma vítima de um sistema de exclusão.
Já falamos aqui exaustivamente sobre a expulsão na rede pública de ensino, que se dá de várias formas: "oficialmente", através do Conselho de Escola,  através de manobras dos diretores de escola, ou de forma "branca".

A expulsão na rede particular é tão ou até mais frequente do que na pública, e isso também já demostramos aqui diversas vezes. Mas na rede particular ela costuma ser melhor disfarçada, através de um "convite" para buscar …

Escola pública ou particular. Qual a sua opção?...

De vez em quando a gente atende uns pais de alunos bem descontrolados, difícil manter a linha. Faço questão de reproduzir aqui toda a troca de mensagens com um cidadão que quase me tirou do sério... rs
Dia 4 de setembro "Por um acaso deparei com seu site. Gostaria de que me informassem se é LÍCITO aluno de escola pública ser agraciado; com merenda substanciosa ; material escolar, transporte, uniforme e até tablets, pelos quais pouco se exige de cuidados e/ou devolução; pelos PODERES PÚBLICOS, enquanto que alunos de escolas particulares, cujo custo é elevado e que foi assumidos pelos pais como opção, para que tenham uma escola  de melhor qualidade; não é fornecida merenda, material, livros, transporte,nem tablets em pé de IGUALDADE? Será que os cursos das escolas particulares são regidos por diretrizes, normas, conteúdos, ou programas de entidades estranhas ao Ministério da Educação do Governo Federal? Será que as crianças das escolas particulares não são Cidadãos Brasileiros? Será…