Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2010

Cabelo espetado? Colares, brincos? Expulsão neles!

Imagem
Recebemos a seguinte mensagem de um pai de Minas Gerais, cujo nome não divulgamos para evitar as costumeiras perseguições/represálias que podem atingir seu filho:
"Recentemente meu filho recebeu da escola onde estuda bilhete endereçado aos pais, sobre a apresentação individual que deverá ser seguida dentro da instituição, a saber:
1- Que o corte de cabelo masculino deverá ser desbastado com máquina nº 02, proibindo os penteados chamativos (moicanos, surfista e o topete );
2- Proibição do uso do boné;
3- Proibição das tinturas exóticas que fogem aos padrões da normalidade: verde, azul, roxa, vermelha entre outras;
4- Proibição do uso de colares, brincos;
5- Proibição de tatuagens que ficam expostas fora do contorno das peças dos uniformes

Face ao exposto, solicito ajuda, para que possa enviar correspondência a aquela escola, no meu entendimento, do abuso que estão cometendo, interferindo na individualidade de cada um, pois a escola é estadual e não militar."

Resposta do EducaFórum:
P…

Como eles conseguem encostar a cabeça no travesseiro?...

Imagem
Certos profissionais da educação dizem que este blog "denigre a escola pública". Para eles, tudo está ótimo, pois tiveram vários dias de folga (além das costumeiras aulas vagas), durante uma greve que lhes valeu a conquista de suas reivindicações sindicais. Além disso, seus próprios filhos estudam na rede particular, portanto, qual o problema?...
Vamos começar pelo fim: a rede particular, no Brasil, é tão ruim quanto a pública. A única diferença é que não existe o fenômeno da "aula vaga", essa vergonha nacional que solapa aos alunos de 20 a 30% do ano letivo.
Nós, que temos ou tivemos nossos filhos na rede pública, sabemos que ela poderia ser muito melhor do que a particular, pois essa visa geralmente apenas lucro e não prepara os alunos para a vida. É por isso que continuamos lutando e não vamos desistir.
Denegrir a escola pública é o que fazem aqueles profissionais da educação que recebem para tratar seus alunos com violência física ou psicológica.
Denegrir a escola…

Tropa de Elite neles!

Imagem
Lembram do "surto" que ocorreu em 2008, quando foi lançado Tropa de Elite? Em muitas escolas a fita PIRATA (!) foi projetada para crianças e adolescentes durante as aulas vagas e o assunto só saiu na mídia porque numa escola do ABC uma menina passou mal durante a projeção. Mesmo assim, algumas escolas continuaram projetando a fita, tanto que, na EMEF Imperatriz Dona Amélia, alunos de 6ª Série foram contemplados com essa medida "pedagógica".
Para entender o que motiva certos profissionais da "educação" a tomar iniciativas como essa, segue uma troca de comentários no blog da Cremilda sobre o assunto do menino de 6 anos que foi machucado pela professora com uma reguada na cabeça, sendo que a professora negou o fato.
"Professora Ruth:
Tadinha da crionça! Será que a régua foi quebrada? Criança desobediente tem que apanhar, já que os pais são omissssssssssssssssssssssos, alguém tem que fazer o serviço. É melhor apanhar agora do que apanhar depois da políci…

Violência na escola

Imagem
O amigo Victor diz que este blog culpa o "profissional do ensino" pela falência do sistema educacional.

Mais uma vez repetimos que existem profissionais - e profissionais. Os competentes e compromissados com o aluno, que infelizmente são minoria no país, merecem todo o nosso respeito. E eles sabem disso! Não é à toa que contamos, entre os nossos leitores, profissionais do ensino como a Glória Reis, a Edilva Bandeira, o Juarez Firmino, a Márcia Fernandes, a Vera Vasconcelos e muitos outros que entendem nossa língua.

O pior profissional não é o que está em sala de aula. Quanto maior a hierarquia, maior a responsabilidade. Entre um professor, coordenador pedagógico, diretor de escola, supervisor de ensino, dirigente e secretário da educação, a maior responsabilidade é do secretário. De todos os secretário de educação que conheci, o único que mereceu o S maiúsculo foi Mário Sérgio Cortella. (Não por acaso, seus filhos estudaram na rede pública...) Sua política educacional era tão …

Mídia nota zero - a série X - Cidinha Campos denuncia os marmanjos que mamam

Esse vídeo da deputada estadual do Rio de Janeiro Cidinha Campos, denunciando a corrupção na política brasileira, que vai muito além de dólares na cueca, deveria estar circulando em toda a grande mídia.
Não está... Por que será?...



Desde o famoso discurso de Ruy Barbosa "De tanto ver triunfar as nulidades..." não se ouve nada tão vibrante e contundente quanto essa fala da Cidinha Campos no dia 24/03/10, acusando políticos de desviarem verbas do programa bolsa-escola e de vacinas destinadas às crianças carentes. Apesar de sua força, que em alguns países do exterior certamente faria "rolar" algumas cabeças, esse discurso passou em branco na mídia brasileira.

Veja alguns posts anteriores da série Mídia nota zero:

Parabéns, Boris Casoy!
Notas fiscais "frias" não interessam à mídia
A "cartilha dos corvos"

O aprendizado do bullying

Discutir o bullying está na moda. Trata-se de mais uma forma de demonizar o aluno, esse monstrinho que passa o dia letivo agredindo os colegas e o professor... Quanta hipocrisia! Ninguém procura ir às causas do problema.

Finalmente, dois vídeos que mostram a gênese da violência escolar.



Como sempre, a história só pôde ser confirmada por um único motivo: a escola é particular, o que ocasionou dois fenômenos que nunca aconteceriam na rede pública
Duas funcionárias "entregaram" as oito que cometeram crimes de tortura contra bebês de 1 até 2 anos de idade, pois sendo escola particular as funcionárias poderiam ser demitidas e não continuariam convivendo com elas.Os donos da escola ficaram com medo do escândalo, que poderia ocasionar o fechamento do estabelecimento, assim correram colocar câmeras de vídeo nos ambientes e puderam registrar os fatos.A escola atende 200 bebês e é particular, porém conveniada com a prefeitura, o que significa mantida com o suado dinheirinho dos nossos im…

Ovadas no final da greve, bom exemplo para o aluno!

Imagem
Se um aluno se atrever a atirar ovos ou qualquer outro objeto na escola, é sumariamente expulso. Para não falar das famigeradas bombinhas de São João: nesse caso, a expulsão é acompanhada de viagem do aluno à delegacia dentro de um camburão. Os casos mais "tenebrosos", esses que além da expulsão valem a execração pública em toda a comunidade, são o roubo, o bullying e colocar fogo na lata de lixo da classe.
Esses "crimes", que pela ordem natural das coisas poderiam ser desculpados nas crianças e adolescentes - seres em formação que necessitam de bons exemplos e modelos - na escola são punidos da forma mais drástica.
No entanto, aqueles que deveriam servir de exemplo aos próprios alunos, pois pela ordem natural das coisas estão suficientemente "crescidos" para comportar-se de forma civilizada, não apenas deixam de receber qualquer punição, como seus crimes não causam qualquer comoção na sociedade...
Professor não é ser humano: é santo, anjo, mártir. Ninguém,…

Sobre a greve dos professores

Finalmente, uma fala sensata sobre a greve que penaliza a rede estadual de São Paulo. O texto é do professor Juarez Firmino. Obrigada, Juarez, pela sua colaboração!

O ano letivo que ainda não começou

Eles chegaram e apresentaram uma série de argumentos, disseram que a educação está um caos e arrastaram uma grande quantidade de seguidores... Mal o ano havia começado — reunião de pais, entrega de materiais escolares, montagem de horário, entrega e preenchimento dos diários — então houve a assembléia e a paralisação, mas com a adesão apenas em parte das unidades escolares e dos quadros docentes. A razão pela baixa adesão dos professores ao movimento foi dada passando-se a justificativa de que os dados estariam sendo manipulados pela Secretaria da Educação, e que os órgãos da imprensa estariam sendo “comprados” pelo governo e por esse motivo os fatos estariam sendo acobertados e não chegando ao conhecimento do povo.

Se de um lado a política governamental está sendo dura para com os servidore…

Mensagem de Páscoa

Imagem
Não sou da turma que acha que toda a verdade está nos livros. Pessoalmente, acho que a literatura é apenas uma entre inúmeras formas de conhecer o mundo.
Mas resolvi compartilhar com vocês uma mensagem de José Luiz Goldfarb, professor e curador do prêmio Jabuti de literatura, que vale uma boa reflexão:
A nossa sociedade tem um grande problema: acho que por falta de leitura, de imaginação, fica pessimista, acreditando que o Brasil é assim, nunca vai mudar. Acaba se tornando uma sociedade que não sonha, não tem imaginação. O livro é muito rico, ele transporta, leva o leitor a lugares onde nunca esteve. Ele é a chave que abre as portas para um outro mundo.
José Luiz Goldfarb Trecho de entrevista à revista Chamois Notícias - nº 31 - 2009

Nosso trabalho não tem preço!

Imagem
Sem nada de bom a comemorar, resolvemos publicar novamente uma mensagem que postamos na Páscoa passada, pois responde a questionamentos que nos são feitos diariamente por muitas pessoas que acompanham este blog:

Alguns “anônimos” estão batendo na tecla “de onde vêm os recursos para o nosso trabalho”. É impressionante a pobreza mental de quem pensa que todo trabalho só tem utilidade se for remunerado em $$$, ou seja, que TODOS SE VENDEM POR DINHEIRO.

Existe também uma vertente que valoriza o trabalho voluntário somente se der “status”, como, por exemplo, participar da comissão de direitos humanos da OAB, da qual me desliguei porque se resumia em fazer lanchinhos, para depois boicotar propostas sérias como responsabilizar o poder público se uma criança é obrigada a andar 3 km para frequentar a escola.
Uma outra vertente gosta do trabalho voluntário lançado pela mídia, como por exemplo o projeto Amigos da Escola, que só serve para alimentar a malemolência do nosso poder público e apaziguar …

A verdade é o melhor disfarce, ninguém acredita nela

Imagem
Este é o comentário da professora Glória Reis sobre a notícia da exclusão de 4,1 milhões de crianças e jovens da escola, publicada no Uol Educação.
Glória prossegue: "Autoridades e especialistas se perguntando o porquê, ao mesmo tempo que "chutam" inúmeras razões para o fato. A verdade é simples, transparente e óbvia: a escola é uma tortura para as crianças e adolescentes carentes e pobres deste país, que são a maioria. Poucos resistem até o fim da escolaridade. Quem resiste a humilhações e violências diárias como xingamentos, gritaria, discriminação, ser mandado embora por falta de uniforme ou material, castigos crueis como ficar sem merenda ou sem recreio, ficar em pé de cara na parede e até mesmo violência física como empurrão, puxar orelha e cabelo, tampar objetos, tapas, bofetões, etc.???
Esta é a VERDADE. Mas autoridades e especialistas não QUEREM acreditar nela."